2005/02/26

.

Ponto por ponto...

... o derradeiro ponto final.

2005/02/23

..

[... furtas-me a «palavra» da boca e o suspiro que a garganta não segura

(...) És «tu» o (meu) poema...]

2005/02/06

Acústica Amorosa

Temos esta música em comum: a sua
transparência percorre os séculos sombrios; e
o som dos seus ecos introduz-se nas cavidades
da memória. São pedaços de eternidade
que se incrustaram no tempo; restos de luz
numa deambulação de dedos. Preparo
a transposição da voz para um jardim botânico
de sensações: um canteiro regado pela ternura
do ocaso; os caules da frase mergulhados
na terra do desejo. Afasto as folhas, como os cabelos,
da testa: e sigo o desenho das pálpebras,
até ao canto dos olhos, onde
o improviso começa.


Nuno Júdice, in O Estado dos Campos



(Fonte: http://olhares.com - Foto de Vítor Dias)