2004/11/29

..

... reticente suspensão na lâmina inclinada

(pensei).

... poder-te-ia desenhar entre «pausas» recicladas de cor grave e decisiva, antecipar o gesto adestrado que (te) revela «lenta e compassadamente»... poderia

diluir(-me) na palavra fina incisão que talha o «silêncio» do argumento que misturas na precisão da tua medida... poderia

analisar e mergulhar em cada vestígio desfigurado (solto ou organizado) no caixilho da razão... entendes (?) é tarde e...

... detenho-me neste cigarro, «teu».

2004/11/25

Reti...c(i)ências

Dias há em que me espanto pela ciência amestrada das reticências...

/... Entre os pontos há a pausa essencial que permite a respiração lenta e compassada que um pensamento sugere.../

E existem os sentidos despertos que assimilam cada pausa, num silêncio expectante...

No dia de hoje sou sentido desperto...

2004/11/22

..

... na «abstracção do momento», encontrei o azul estilhaço que me fitou. Incisivo o corte breve

na duração gasta do acessório... «respirei»

a «pausa» inesperada, isenta... contextualizada

e os sentidos despertos, indiferentes e exaltados na consciência turva desse «tudo» e «nada», absolutos.

2004/11/20

..

[...

queria de ti um país de bondade e de bruma
queria de ti o mar de uma rosa de espuma

Mário Cesariny
]

2004/11/15

Pausa...

Na abstracção dos momentos há um olhar que se pousa nas ondas que o mar já desfez na areia.

Reflicto...

... E sobre segredos interditos, furtivos, silenciados, dizimados... rasgo-me numa assombração de sucessivos instantes, num espasmo essencial de vida...

Respiro...

... E há o complexo partilhado, mundo gigante e incauto de distracções múltiplas que geram uma Babel de sussurros esmagados...

2004/11/13

..

... da fusão entre um e outro «tempo» resulta a unidade contextual, a cicatriz que reconcilia... diria. E nesse tecido plasmado, afinado... reciclado de consequências residuais, a raiz da [tua] presença

contaminada que foi num abreviar de pautas dissolvidas... «bebi»

cada nota inventada na simetria desse amplexo dividido, de imprevistos estruturados pelo gesto lento do (re)conhecimento... [teu] [nosso]

o segredo furtivo da «palavra» interdita.

(...)

2004/11/11

..

... e na respiração o ângulo
isento de premências gastas... o princípio justaposto da constância que

ficou.

2004/11/10

Shhh...

... Sopro-te!

2004/11/05

..

... transparência sólida de purpúreo gosto. Na lucidez breve, a impetuosa elevação do mínimo... (esse) arrepio

tatuado de um sopro apartado que (me) sustém.

(...)